bangkok

Dezembro, 2018 | escrito por Carla

Bangkok é a capital da Tailândia e a porta de entrada do sudeste asiático.

Em dezembro de 2018 nós fomos para as Filipinas (veja aqui nosso roteiro por lá), e depois para o Vietnã (onde passamos 2 meses); como o Antonio na época tinha 1 ano e meio, decidimos fazer uma parada em Bangkok antes de seguir viagem.

Durante os 4 dias que ficamos lá, conseguimos conhecer os templos mais famosos, a movimentação da cidade e a comida de rua tailandesa.

QUANDO IR e quanto tempo ficar

 

No final do novembro até meados de fevereiro as temperaturas estão altas, porém a ocorrência de chuvas é bem menor do que nos outros meses. Nós fomos em dezembro e, apesar do (super) calor, não pegamos nenhum dia de chuva.

Nós ficamos 4 dias e achei uma duração ótima para conhecer os principais templos, mercados flutuantes e sentir um pouco da movimentação da cidade. 

onde ficar

Ao meu ver, o ideal é ficar nos arredores dos templos Wat Pho e Grand Palace (distrito de Phra Nakhon), mas também tem muita gente que indica ficar na região da Khao San Road, nós achamos que seria muito movimentado para o que estávamos procurando.

 

Ficamos em um hotel ótimo chamado Feung Nakorn Balcony. Preparado para receber crianças, com um espaço aberto super agradável e muito bem localizado (conseguimos ir a pé para quase tudo).

 

Além da pensar na localização, não esqueça de checar se tem ar condicionado antes de reservar o seu hotel, dica importante.

onde comer

A comida de rua na Tailândia é famosa.

De noite várias barraquinhas aparecem nas calçadas. Ingredientes expostos, você pede, o prato é preparado na hora, enquanto ali pertinho uma outra pessoa lava a louça em grandes bacias com água e sabão na própria calçada. Mesinhas rodeiam a barraquinha e tcharam, basta sentar e aproveitar. 

Sugiro que experimentem o Pad Thai, um prato de macarrão de arroz frito com legumes, camarão, carne de porco (depende do que você vai pedir) e um molho thai sensacional. Cuidado com a pimenta, lá tudo é bem apimentado. Dizem que o melhor é servido no restaurante Thip Samai.

Outro prato gostoso que comemos em um mercado de rua (Pakkong Market) foi o Pork Satay (espetinhos de carne de porco com molho agridoce acompanhado com salada de pepino).

Antes de irmos pra Bangkok, o Dani tinha pesquisado algumas comidas de rua famosas e encontrou a Jay Fai indicada pelo Guia Michelin. Nós acabamos não indo, mas vale a pena ver uns vídeos no YouTube e quem tiver disposto a gastar uns BRL 100 em um omelete de carangueijo, fica a dica.

Na rua do nosso hotel, perto do templo Wat Ratchabophit, nós comemos em um lugar chamado Café Soi 1 um Garlic Shrimp (arroz frito com camarão e alho) que estava muito bom e com ótimo custo benefício (89 bahts).

O ambiente tem ar condicionado e é super agradável.

Para um drink no pôr do sol, um terraço de frente pro Rio Chao Phraya e com vista pro Wat Arun pode ser uma boa pedida; mas pesquise antes os valores e, se quiser jantar, reserve, a procura é grande. Nós fomos em um chamado Sala Arun e ficamos na varanda, tomamos uma cerveja e achamos super agradável (valores médios: cerveja 150 bahts, mussels 390 bahts).

o que fazer

 

wat pho

O templo do Buda deitado (um Buda gigante de 46m de comprimento por 15m de altura, e todo coberto com folhas de ouro). Fica pertinho do Grand Palace, então dá para visitar os dois em um único dia. 

Fora o Buda deitado, o Wat Pho tem vários pátios repletos de pagodas douradas, estátuas, templos menores e cantinhos arborizados super tranquilos (perfeitos para se desligar do caos da cidade).

 

Lá dentro está localizada também a Thai Traditional Medical School, então a massagem Tailandesa aqui é uma boa pedida. Eu fiz uma no corpo por 320 bahts, 30min. O espaço não é um SPA com música tranquila de fundo e salinhas privativas, são macas lado a lado que recebem turistas o tempo todo, mas a massagem é muito boa. 

Entrada (em 2018): 100 bahts

Dicas: não pode entrar com os ombros, costas e joelhos de fora; mas eles permitem lenços em cima de blusas de alcinha. Se for você visitar com o Grand Palace no mesmo dia, ai precisa providenciar uma blusa de manga, porque lá eles não permitem esconder os ombros apenas com um lenço, são mais rigorosos.

Homens podem entrar de bermuda.

 

grand palace

O templo mais famoso (e mais visitado) de Bangkok.

Recebe milhares de turistas por dia então o caos da cidade continua dentro da área do templo. Quando chegamos ficamos surpresos porque parecia entrada de estádio em final de campeonato. Sério. Uma quantidade enorme de pessoas sendo guiadas por grades de ferro até a parte interna (o templo é todo murado). Confesso que a combinação disso com o calor não me deixou muito animada na visita.

O mais legal lá dentro, ao meu ver, é a réplica - super detalhada - do Angkor Wat (templo no Camboja) em miniatura. Eu e o Dani ainda não conhecemos, mas o Dani ficou empolgado de um dia conhecer. Alô Talita, vamos escrever seu roteiro pela Tailândia, Laos e Camboja? 

Entrada (em 2018): 500 bahts

Dicas: não pode entrar com os ombros, costas e joelhos de fora e não permitem esconder os ombros apenas com um lenço, eu estava linda e bela com um lencinho na bolsa, mas tive que comprar uma blusa de manga. Ah, e isso serve para os homens também, nada de bermudas.

Leve uma garrafa de água, lá dentro tem bebedouro para encher e com o calor você vai se sentir bem melhor bebendo água ao longo da visita.

 

wat arun

Esse templo é menor e fica do outro lado do Rio Chao Phraya.

Para atravessar, nós fomos até o Tha Tien Pier e pegamos uma barquinha (eles chamam de express boat) que custava 4 bahts. Saltamos no próprio Wat Arun.

 

Ele é todo branquinho, pequeno e a parte central tem uma escadaria bem íngreme até o topo.

Assistir o pôr do sol de frente pra ele foi super bonito também.

Entrada: 50 bahts

 

khao san road

A rua mais famosa de Bangkok.

De dia várias lojas vendendo marcas falsificadas, e de noite movimento, agito e comidas.

 

Taling chan floating market

A única experiência que tivemos em um mercado flutuante, mas ainda fiquei com gostinho de quero mais. 

Nesse mercado os barquinhos que preparam comida são poucos e não fazem aquele cenário colorido no rio como imaginava. Um do lado do outro.

As barraquinhas de comida fizeram mais sucesso do que os barquinhos.

 

Para chegar até lá, pegamos um taxi, ficava a mais ou menos 9km do nosso hotel. O taxi custou 85 bahts na ida e 120 bahts na volta.

Posts relacionados: