Londres

Junho, 2018 | escrito por Talita

Somos muito sortudos! Nossa família está muito internacional e assim como temos parentes em Paris também temos uma prima (Gabi, te amo!) morando em nada mais, nada menos que Londres. E apesar do fato da cidade não pertencer a nossa #wishlist, não podíamos perder essa oportunidade única. Então, aproveitamos a ida a Europa e incluímos Londres no roteiro!

E tenho que confessar, mais uma supresa feliz! Londres é INCRÍVEL e os londrinos muito fofos (pelo menos todos os que conhecemos). Além da facilidade da língua, achei o povo de lá muito receptivo e alegre (me lembrei de todos os filmes britânicos que já assisti. Adoro o humor britânico!). 

 

A cidade é um mix de construções históricas, arquitetura moderna, parques, museus e pubs. Uma bela mistura do antigo e do moderno, e a energia é contagiante! Provavelmente, o fato de ser verão e Copa do Mundo ajudou na atmosfera, mas eu AMEI a cidade.

Entre parques pela manhã e "pints" (pint é um copão de meio litro de cerveja/chopp) a noite, Londres é uma verdadeira aula de história e um belo quadro do que virá a ser o futuro.

Compre suas librinhas e vá se aventurar por lá!

QUANDO IR e quanto tempo ficar

Fomos em junho, no verão londrino (Mar, Abr, Mai) e achei extremamente quente, muito mais que o verão carioca, se isso é possível! A Gabi (prima) falou que o tempo que pegamos foi bem atípico, mas assim como Paris, recomento ir na primavera, se possível em Maio. Clima mais ameno, céu azul e parques bem verdes.

Ficamos uma semana, mas se tivesse a oportunidade, teria ficado mais! Tem muita coisa para fazer e conhecer por lá, mas o mínimo de uma semana!

Onde ficar

A Gabi é muito FOFA! Durante a semana que ficamos em Londres ela se "mudou" pra casa do namorado (Robinho, we love you too!) e deixou seu apê todinho pra gente. 

Na verdade, esse foi um dos grandes motivos de termos ido para Europa. Não gastamos um real com estadia \o/

Então, a viagem acabou ficando dentro do que gastávamos com nossa viagens #lowcost.

O apê fica no bairro de Wandsworth, que e é bem afastado do centro de Londres. Mas de trêm/underground (metrô) tudo fica mais fácil. Demorávamos em média uns 40 minutos até o centro. 

Dica: O melhor meio de se locomover na Europa é sim o transporte público. Rápido e eficiente! Em Paris você utiliza seu Navigo, mas em Londres eles tem um similar - porém bem mais caro - o Oyster (vou escrever depois um post explicando como funciona)

Onde comer

Eu AMO comer! Quem me conhece sabe, se estou com fome, o mal humor e a cara feia logo aparecem. Mas quando estou viagem eu estou o tempo todo tão eufórica que quase não sinto fome.

Tem muita gente que eu conheço que gosta de comer muito bem quando está viajando. Comer bem é uma prioridade pra certas pessoas, e acaba-se gastando muito com isso. No nosso caso é diferente. Preferimos gastar dinheiro com outras coisas, então não ligamos muito para restaurantes chiques.

Em Londres, fizemos muito picnics! Essa é uma ótima dica pra quem quer economizar e curtir uma refeição ao ar livre. Comprávamos a comida em lugares onde ela já estava pronta em potinhos (me senti um pouco mal de estar utilizando tanto plástico) e levávamos para um lugar especial, geralmente um parque. Esse tipo de comida era barato, em média GBP 8.

 

Uma rede muito famosa com este tipo de comida é a Pret A Manger. Você encontra uma dessa a cada esquina e comida é gostosinha.

o que fazer

 

London Eye

Começamos nosso tour por Londres pela famosa roda gigante panorâmica, a London Eye. O céu estava azul, o que deixou o cenário bem especial.  Mas não, não demos uma volta na roda. A fila era grande e o ingresso caro (o preço varia, mas custa próximo de GBP 26), então demos uma boa apreciada e seguimos viagem para o nosso segundo destino.

 

Big Ben

Outro clássico de Londres, a torre do relógio mais famoso do mundo: o Big Ben. Infelizmente (ou felizmente) ele estava em manutenção. Na verdade, assim como em Paris, muitos dos monumentos da cidade estavam em processo de restauração e reforma.

Mas as obras não conseguiram apagar a beleza desse lugar. Demos uma paradinha na beira do Rio Tâmisa e apreciamos e registramos a vista que mostra o Palácio de Westminster (Palácio do Parlamento, onde  ficam a Câmara dos Lordes e a Câmara dos Comuns).

Esse spot à margem do rio fica do lado da London Eye, então uma boa estratégia é ir direto da roda para a Ponte de Westminster (uma das mais antigas que atravessam o Rio Tâmisa), até o Palácio de Westminster

 

Horse Guards

Do Palácio de Westminster seguimos até entrada do prédio da Horse Guards, em Whitehall. Na entrada do prédio se posicionam os contingentes da cavalaria, os Queen’s Life Guards (aqueles curiosos soldadinhos usando bearskin, o chapéu preto peludo gigante).

Atenção: Não cheguem muito próximo para tirar fotos, isso perturba os cavalos e atrapalha o trabalho do guarda. A placa de sinalização já diz tudo “BEWARE, horses may kick or bite! Thank you” (em português “CUIDADO, cavalos podem chutar ou morder! Obrigado”). 

A Horse Guards é a entrada oficial do Palácio de St. James pelo parque.

 

Pela entrada é possível acessar The Household Cavalary Museum (últimas duas fotos). O museu foi aberto pela Rainha Elizabeth em 2007 e é dedicado à cavalaria da rainha, que a protege (e é implantada) em combate.

 

A parada é bem breve, só um registro rápido no caminho do próximo monumento. No máximo você assiste uma troca da guarda.

Bem do lado você já encontra outro clássico da cidade, as mundialmente conhecidas cabines telefônicas vermelhas (bem fedidas por sinal! realidade por trás da fotinha bonita). Mas não se preocupe, assim como ônibus, elas estão por todos os lugares.

 

palácio de buckingham

Tinha assistido a série The Crown no Netflix (super recomendo!), que conta a história da rainha Elizabeth e da família real inglesa, os Windsor, e apesar de achar muito louco que ainda existam reis, rainhas, príncipes e princesas, tenho que confessar, visitar os palácios de pertinho foi uma experiência única.

 

O mosquitinho da febre real me picou! É muita história ali e você acaba ficando impressionado.

 

A família real britânica governa o Reino Unido (estado soberano composto por quatro países diferentes: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) juntamente com o parlamento inglês.

 

O Palácio de Buckingham (símbolo da monarquia e residência oficial da Rainha Elizabeth II) fica na City of Westminster, no coração de Londres.

 

Portões fechados e muitos curiosos é o que encontra por lá. O único movimento que vimos no palácio foi uma carruagem que saiu e deu a volta na Praça, como uma espécie de demonstração. E fica todo mundo bobo olhando, inclusive eu.

 

Em frente ao palácio, no centro dos Jardins da Rainha, você encontra o Victoria Memorial (Memorial da Rainha Vitória). A Rainha Victoria foi a primeira rainha a ocupar a residência. O memorial foi erguido em 1911 e é basicamente uma grande estátua sentada da Rainha Vitória. Nas laterais destacam-se estátuas de bronze do Anjo da Justiça, o Anjo da Verdade e da Caridade.

 

Também vimos os Queen’s Guards (Guardas da Rainha) contingentes de infantaria que diferentemente dos que vimos na Horse Guards, são soldados do exército britânico que combatem a pé.

 

Assim como Paris, o dia que passamos em Londres conhecendo seus monumentos é mais uma peregrinação com aula de história. Mas neste caso, a história ainda está acontecendo. Não é algo que aconteceu em um passado distante, e sim, algo que está acontecendo no presente. Acho que é isso que deixa tudo tão excitante.

 

Perto do palácio, estão o St. James’s Park e o Green Park. Fizemos um picnic de almoço na beira do lago artificial do St. James’s Park, o mais antigo parque real de Londres. Super recomendo!

 

Natural History Museum

Acho que somos um tanto nerds. Passamos exatas 3 horas dentro do Museu de História Natural admirando cada um de seus artefatos! Eu achei simplesmente INCRÍVEL.

 

O lema do museu é responder as grandes questões da natureza e revelar a história da vida na Terra, desde os menores insetos até os maiores mamíferos. Ou seja, tudo que mais amamos em um lugar só :)

 

Ele é um dos três museus instalados em South Kensington, ao lado do Science Museum (Museu da Ciência) e do Victoria & Albert Museum.

 

A entrada é gratuita, podendo ser feita uma doação, e fica aberto entre 10h e 17:50, sendo a última entrada às 17:30.

 

Coloque na sua listinha agora. É imperdível!

 

hyde park

Fomos em dezenas de parques, mas o Hyde Park foi meu favorito. Pelo seu tamanho, pela sua beleza, pelo seu verde, lagos, bichos e inusitados frequentadores.

 

O parque é tão grande que você teria que passar um dia inteiro só nele e, talvez, mesmo assim não fosse possível desfrutar tudo.

 

Eu fiquei simplesmente encantada, queria muito ter tido a oportunidade de voltar e conhecer um pouco mais dessa maravilhosidade, mas a vida é feita de escolhas, e eu sempre prefiro conhecer um lugar novo.

 

Uma boa dica é alugar uma bicicleta para conhecer o parque mais rápido. Tem alguns lugares em seu entorno onde é possível fazer o aluguel. Estava doida pra fazer isso, mas o Alê preferiu caminhar em um calor de 50 graus. Vai entender!

 

Memorial lady di

Cruzamos grande parte do Hyde Park para chegar no bairro de Notting Hill. Mas antes, aproveitamos para passar no Memorial da Lady Di. Depois de assistir de The Crown, acabei ficando muito interessada na história dos Windsor, e assim acabei assistindo TODOS os documentários sobre a Princesa Diana disponíveis no Netflix.

 

Achei a história trágica da Princess of Wales bem comovente, então fiz questão de dar uma checada no seu memorial.

 

Ainda bem que fomos, o memorial é uma fonte linda em frente ao Lago Serpentine (útlima foto acima). Lá você consegue molhar os pés e se refrescar um pouco. Tem muita gente de biquíni curtindo um sol e fazendo picnic. A tradição é dar uma volta no “círculo” por onde flui a água.

 

Notting Hill

Eu sou fã da Julia Roberts e amo o filme "Um lugar chamado Notting Hill", então é claro que incluí o famoso bairro de Londres no roteiro.

 

Mas existe um problema em idealizar as coisas e criar expectativa, e infelizmente fiquei um pouco desapontada com o passeio.

 

A famosa livraria do filme virou uma lojinha de souvenir, decepcionante. Já de volta ao Rio de Janeiro, minha cunhada comentou que a livraria foi reaberta em outro lugar, mas não é a mesma coisa sabe.

 

O bairro pertence ao distrito de Kensington e Chelsea e fica próximo à beira norte do Hyde Park, por isso fomos andando atravessando o parque. Uma boa de uma caminhada. O lugar é bem residencial, cheio de casas bonitinhas e bem tradicionais, a maioria branca com porta colorida.

 

Lá você também encontra o mundialmente conhecido Portobello Road Market, o maior mercado de antiguidades do mundo. Ele é basicamente uma feira de rua ao longo de toda Portobello Road. A feira acontece de segunda a sábado a partir das 9h, mas o dia principal é sábado, quando há mais barraquinhas, e é também o dia mais cheio.

 

Vi vários lugares recomendando, mas sinceramente não achei que vale a pena! Muito cheio e as coisas não eram muito baratas não.

 

Enfim, eu recomendaria ir no bairro mais para dar um passeio, comer em um restaurante e conhecer um lugar fofinho mais residencial (classe alta) de Londres. Fora isso não acho que vale a pena perder um dia indo lá!

 

Tower of London

Não posso reclamar, sorte foi o que não faltou nessa viagem. Dias lindos de céu azul, pôr do sol incrível, novos amigos e família reunida, e adicionamos mais uma coisa no pacote: conseguimos dois ingressos para uma das atrações mais caras da cidade, a Torre de Londres.

 

Nossa primosa linda e maravilhosa conseguiu através de sua empresa, dois ingressos, que custam em média 22 librinhas cada. Então lá fomos nós aprender mais um pouco da história britânica.

 

A Tower of London é um castelo medieval construído em 1078 às margens do Rio Tâmisa. O lugar já teve diferentes funções (Casa da Moeda, Mostra dos Animais do Reino, prisão, local de execuções e tortura), mas atualmente serve como Casa das Jóias da Coroa, sendo Patrimônio Mundial da UNESCO.

 

Eu já conhecia a história do Rei Henrique VIII e seu polêmico casamento com Ana Bolena (recomendo assistir "A Outra" e "The Tudors") e sempre achei a história bem intrigante. Então visitar o local aonde a Rainha Ana ficou presa e foi executada foi memorável.

 

Se você é interessado em história eu recomendo MUITO esse passeio, eu AMEI visitar o lugar onde fatos importantes da história ocorreram. Recomendo ainda que alugue um Audio Guide (custou GBP 5) na entrada, para acompanhar todas as informações ao longo do caminho guiado.

Eu aluguei e foi bem mais interessante/informativo assim. Pude passar pelos cômodos e torres ouvindo o que aconteceu por ali! Me teletransportei para uma outra era, e achei o máximo!

 

Alguma das atrações dentro da Torre de Londres:

White Tower (uma das primeiras construções)

Fit for a King (exposição de armaduras que Reis utilizaram)

Royal Beasts (espalhados pelo o local ficam algumas réplicas dos animais da coroa)

Local de Execuções – (o lugar foi palco de diversas execuções)

Guardas da Torre – (popularmente conhecidos como Beefeaters, são os Yeomen Warders (sua vestimenta é diferente dos Guardas da Rainha)

Corvos da Torre (8 corvos de estimação perambulam pelo local com um guarda costas)

Jóias da Coroa (um acervo com as mais importantes e valiosas jóias da realeza)

Depois de muita horas, com o local já fechando, aproveitamos que a Tower Bridge fica bem em frente e fomos dar uma checada! Sentamos em um banquinho em uma sombra e ficamos relaxando, curtindo a vista. Tava meio nublado, mas foi muito agradável.

 

Tower Bridge

No nosso último dia visitando o centro de Londres resolvemos voltar para frente da Tower of London para apreciar novamente a vista da Tower Bridge.

 

Depois de um tempo curtindo a vista, resolvemos admirar mais de perto. A ponte tem uma parte para pedestres, então é possível atravessar com tranquilidade.

 

Já em cima da ponte você tem uma vista maravilhosa da cidade! Tiramos um tempinho em uma sombra pra observar as gaivotas que passavam por ali.

 

A ponte foi inaugurada em 1894 pelo Príncipe de Gales, Edward VII. Sua estrutura é bem conservada e bonita. O contraste de azul, branco e vermelho destaca bastante o cenário.


Depois da travessia, continuamos nossa caminhada pela margem do Rio, curtindo tudo que conhecíamos pelo caminho, sem nenhuma rota fixa.

 

borough market

Quando a energia está fluindo, quando a expectativa é baixa, coisas maravilhosas acontecem.

 

Fomos pra Europa sem roteiro nenhum e sem muita pesquisa (pra ser sincera). Pegamos dicas com familiares e andamos bastante sem rumo, nos encantando com as surpresas que os lugares forneciam pra gente.

 

O Borough Market foi uma dessas surpresas especiais! Andávamos sem planejamento, um tanto quanto perdidos, quando demos de cara com esse mercado de rua FENOMENAL. Ele simplesmente surgiu no meio do nosso caminho. Foi paixão à primeira vista!

 

É basicamente um mercadinho de rua com diversas comidas fresquinhas feitas na hora e muita bebida. Comemos um risoto de cogumelos (GBP 7) DELICIOSO, que até o Mozão (que não come cogumelos) amou.

 

Esse é mais um passeio imperdível!

Nesse dia, tínhamos apenas com um destino final: o The Anchor Bankside. Recomendado por um amigo como sendo o bar mais antigo de Londres.

 

Descobrimos que o pub não é verdadeiramente o mais antigo da cidade, mas é com certeza um pub histórico. Um estabelecimento de taberna que reside no mesmo lugar por mais de 800 anos.

A vista do bar é bem legal e você encontra muita arte pelos seus arredores.

E, pra finalizar a nossa ida à Londres, uma fotinha com nossos anfitriões: Gabi e Rob.

Posts relacionados: