noronha

Julho, 2015 | escrito por Carla

Noronha sempre esteve na minha #wishlist! As fotos e os relatos me empolgavam, mas os valores nos faziam deixar a viagem sempre pra depois.

 

Quando eu e o Dani casamos, ganhamos a viagem da avó dele (de lua de mel) e foi surreal de maravilhosa!

 

Fiquei encantada com tanta beleza. A energia, a cor do mar, a cor da areia, a vegetação, os animais, tudo!

​É o tipo de viagem que você chega em casa já querendo voltar. Papo sério!

QUANDO IR e quanto tempo ficar

Depende do seu propósito. Nós fomos em Julho, período de mar calminho e delicioso! No verão, as ondas ficam enormes, rola até a campeonato de surf. Então depende do seu foco! ;) 

O período mais chuvoso vai de abril a agosto, mas nós só pegamos um dia de garoa de tarde, o restante dos dias foram super ensolarados. Conversamos com algumas pessoas que viajaram pra lá em março e o mar ainda estava super agitado. Só fomos uma vez, mas a experiência de curtir o mar calminho foi incrível, pra quem gosta de mar piscina eu super indico ir em julho!

Ficamos 7 dias e conseguimos curtir, e até repetir, nossos lugares favoritos. Tente ficar pelo menos 4 dias.

ONDE FICAR 

Existem vários hotéis maravilhosos espalhados por Noronha. Zé MariaPousada Maravilha e Teju-Açu estão ai pra provar. 

Pra quem está indo em um esquema mais #lowcost, como nós, indico ficar na Vila dos Remédios, centrinho com restaurantes e mais movimento à noite.

 

Nós ficamos na Pousada Atalaia. Localizada na Vila dos Trinta (super pertinho da Vila dos Remédios). 320 BRL a diária em um quarto de casal confortável, com café da manhã, roupa de cama cheirosa, frigobar, banheiro privativo super limpinho (com toalhas) e ar condicionado.  

ONDE COMER

 

festival gastronômico da Pousada Zé Maria é famoso e recebe não hóspedes também. É um buffet gigante de frutos de mar, que acontece todas as quartas e sábados (se quiser ir, reserve com antecedência, tentamos ir e não tinha mais vaga).

 

O Bar do Meio é uma opção super cool para um drink no pôr-do-sol. Fica entre a Praia do Meio e a Praia da Conceição, com mesinhas de frente pro mar, ambiente super gostoso!

 

O Duda Rei oferece uma porção de polvo bem gostosa, mas tem valores bem altos. Fica na areia da Praia da Conceição.

Entre as opções #lowcost (para equilibrar), descobrimos um Buffet perto da descida pra Praia do Cachorro (na Vila dos Remédios), chamado Restaurante do Jacaré. Comidinha caseira em um buffet livre: 25 BRL (em 2015).

 

Outra descoberta foi a feijoada de frutos do mar do Restaurante Salviano, lugar simples, mas a feijoada estava uma delícia. Ficava na descida pra Praia do Porto, mas procurei o link enquanto escrevia esse roteiro e não encontrei. Não sei se fechou. Se alguém tiver ido recentemente pra lá e tiver essa info, deixa nos comentários?

Dica: para passar o dia leve comidinhas e água, a maioria das praias não tem barraca e nem restaurante. E vale levar uma sacolinha para recolher seu lixo também, algumas não tem lixeira.

COMO ANDAR POR LÁ

Para entrar em Noronha é preciso pagar uma TAXA AMBIENTAL, calculada de acordo com os dias de permanência na Ilha. Apesar de dar para pagar no aeroporto (no momento de entrada), vale a pena pagar pela internet antes (link aqui), a fila de quem já está com ela paga é menor. Em 2015,  pagamos 51,40 BRL por dia/pessoa. 

 

A ilha tem uma via asfaltada (no mapa aqui embaixo representada pela linha azul marinho) de 6km de extensão que liga uma ponta a outra. Ao longo dessa extensão, estradinhas que saem do asfalto te levam até as praias e passeios.

Em verde clarinho no mapa, está a área de proteção ambiental ICMbio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e em verde bandeira, o Parque Nacional Marinho (Parnamar), onde paga-se outra taxa para entrar, válida por 10 dias (em 2015 pagamos 82 BRL por pessoa, em um quiosque na Vila dos Remédios - centrinho de Noronha).

A ilha é divida entre MAR DE DENTRO e MAR DE FORA. As praias do mar de dentro são as mais bonitas, aquelas que têm o mar com água cristalina (exemplo: Cacimba do Padre, Baía dos Porcos e Praia do Sancho)!

Existem linhas de ônibus que rodam a ilha, mas na minha opinião alugar um bugre VALE MUITO A PENA.

É prático e a gente se sentiu super livre pra curtir todas as praias no nosso tempo. 

 

Nós alugamos com o China, MAS ATENÇÃO, ele mesmo diz que é conhecido como o "pior bugre de Noronha". São todos velhinhos, mas no esquema #lowcost, me arrisco a dizer que vale a pena. Em 2015, os bugres dele custavam 40% a menos que os demais e, no momento de sufoco (que não passamos, diga-se de passagem), ele oferece suporte 24h. São 4 números de celular e a ilha é tão pequena que esbarramos com ele várias vezes (caso precisássemos, ele estaria ali). Se você não topa aventura, nem se arrisca. Um exemplo: nosso bugre não tinha freio de mão, quando estacionávamos, colocávamos uma pedra atrás das rodas (fico rindo só de lembrar!). 

Como e onde alugamos?

Assim que saímos do aeroporto de Noronha, várias empresa estavam do lado de fora com os bugres estacionados. Você aluga e já sai com ele. Devolvemos o bugre no aeroporto também, então foi super prático.

sobre os gastos

Sim, é um destino caro.

 

Como falei, existe uma taxa pra entrar/permanecer na Ilha, outra pra entrar no Parque Nacional Marinho (onde ficam várias praias), e os preços são bem altos por lá, afinal tudo vem do continente, né? Então, desde o pão até a gasolina, os valores são bem salgadinhos.

O valor total dos nossos gastos contemplam uma viagem de 7 dias, em julho de 2015.

_______________________________

 

total: BRL 8208 | duas pessoas 

Aéreo (Rio de Janeiro - Noronha) Azul

Hospedagem

Aluguel de bugre

Ingresso PARNAMAR
Taxa de permanência

Mergulho baía do sueste

Mergulho livre

Passeio de barco pela ilha

Total de comidas

BRL 1069 (com taxas)

BRL 320 por dia (quarto duplo)

BRL 120 por dia

BRL 82 por 10 dias

BRL 51 por dia

BRL 46 (guia e equipamentos)

BRL 120 (guia e equipamentos)

BRL 190 com almoço

BRL 1400

o que conhecer

 

cacimba do padre

Dentre as maravilhosas praias do mar de dentro, está a Cacimba do Padre!

 

Onde estão os famosos Morros Dois Irmãos (da foto de capa), e o cantinho do lado esquerdo dele foi o preferido do Dani na viagem! E não foi à toa, água cristalina, areia clarinha e extensa, e na época que fomos (julho/agosto) estava calminha, parecia uma piscina. Em outros meses, ela é considerada a melhor para surfar, tem as maiores ondas de Noronha.

Pra chegar nela é super fácil, estacionamos o bugre bem pertinho.

 

Ainda nesse lado esquerdo, uma subidinha entre as pedras te leva a um caminho até a Baía dos Porcos! Ali nessa parte alta, vale a pena parar um pouquinho pra rever a Cacimba do Padre do alto, e já ter um gostinho da escondida Baía dos Porcos.

 

O caminho a pé dura só 5min. Que visual!

 

baía dos porcos

É uma baía cercada por um paredão de pedras!

 

Parece que em alguns meses a areia é tomada pela maré, mas quando fomos (em julho), conseguimos curtir a praia, super delícia! A primeira foto demonstra um pouquinho o cenário. 

 

Existem duas formas de curtí-la:

 

1) Chegando na praia (parte debaixo), através de um caminho bem curto você consegue ir caminhando, saindo da ponta esquerda da Praia Cacimba do Padre. Primeiro uma mini subidinha, ai você chega lá em cima praticamente em um mirante entre uma praia e outra. Vale parar para apreciar a vista um pouco mais de cima (última foto aqui em cima). É surreal de lindo! Continuando o caminho, você desce, e chega até a prainha da Baía dos Porcos.

Quando você chega, se depara com piscinas naturais em meio a pedras, água transparente, tartarugas, peixinhos. Que lugar incrível! 

2) Apreciando a vista de cima:

 

Um mirante sem acesso à praia, mas com um visual de tirar o fôlego!

 

O caminho começa pelo PIC dos Golfinhos (uma espécie de quiosque que dá início ao circuito do Parnamar - área de Preservação Marinha - onde paga-se aquela taxa que falei lá em cima). A partir desse "PIC", começa uma estrutura de madeira (piso, corrimão) entre a mata, ligando a Baía dos Gofinhos, a Praia do Sancho e o Mirante da Baía dos Porcos. 

 

Você pode fazer o caminho completo (exatamente nessa ordem) ou ir direto do PIC para o Sancho, e depois para o mirante da Baía dos Porcos.

 

baía dos golfinhos

O caminho para conhecer a Baía dos Golfinhos começa no "PIC dos Golfinhos" (uma espécie de quiosque que dá início ao circuito do Parnamar - área de Preservação Marinha).

 

Caminhamos mais ou menos 1km até chegar na Baía dos Golfinhos (em uma estrutura de madeira com piso, corrimão e bem sinalizado).

 

Dá pra ir direto pra praia Sancho também, a distância é a mesma, com dois caminhos diferentes.

 

Chegando na Baía dos Golfinhos, funcionários do parque oferecem binóculos para os turistas apreciarem os golfinhos que frequentemente nadam nessa baía. Daí o nome. Quando fomos, uma baleia jubarte tinha passado de manhã por ali e afastado os golfinhos. Não vimos nenhum.

 

praia do sancho

Não é à toa que já ganhou várias vezes o Prêmio Travellers' Choice como a praia mais bonita do Brasil (através do site TripAdvisor).

 

Sério, você chega e fica de queixo caído. Eu não conseguia parar de agradecer pela oportunidade de conhecer um lugar tão lindo!

 

A água clarinha, rasinha, deliciosa; um paredão no fundo; arraias, tartarugas, cardumes de sardinha (na primeira foto tá vendo algumas manchas no rasinho? então: cardumes de sardinhas).

Pra chegar até a praia existem 3 formas:

1) Caminhando:

O trajeto começa pelo PIC dos Golfinhos.

Ou você vai direto para o Sancho ou passa pela Baía dos Golfinhos antes. A caminhada (direto pro Sancho) tem mais ou menos 900m e é bem tranquila e sinalizada. Se passar na Baía dos Golfinhos, o caminho até o Sancho terá aproximadamente 2km.

 

O caminho passa por vários mirantes imperdíveis e termina no mirante da Baía dos Porcos.

 

A gente fez assim: andamos até o final e depois voltamos para o acesso à Praia do Sancho para de fato descer e curtir. A descida é feita por uma escada super estreitinha em meio às rochas. 

2) De barco:

Você chega na praia pelo mar (nadando, não tem pier).

 

Eu e Dani conhecemos o Sancho primeiro pela opção 1 (caminhando e descendo pela escada), mas também fechamos um passeio de barco com a Trovão dos Mares. BRL 190 - por pessoa - incluindo almoço (2015). 

 

Confesso que esses passeios fechados (em grupo, com almoço incluído, etc.) me assustam! Eu e Dani somos bicho do mato, gostamos de fazer tudo por conta própria, aproveitar no nosso tempo, comer a hora que quisermos. Mas eu precisava ver golfinhos mais de perto! Eles se sentem atraídos pelos barcos e começam a nadar e pular em volta! Coisa mais linda ver eles livres nesse marzão!

O passeio dá a volta na ilha. Saímos do Porto de Santo Antonio (Praia do Porto) e começamos o passeio conhecendo as ilhas secundárias, uma região totalmente protegida sem acesso terrestre (parece incrível falando, mas não tem nada demais). Navegamos por todo o mar de dentro, avistamos a Baía dos Porcos de longe, depois passamos pela Baía dos Golfinhos, chegando na Ponta da Sapata (ali tem uma janela entre as rochas que dá vista para o mar de fora). Depois o catamarã atracou na Praia do Sancho, para curtirmos o dia e almoçarmos.

 

Foi bem legal ver a Baía dos Porcos e a Praia do Sancho do mar. Outro ângulo, outro visual! 

te mandei duas fotos por email

para editar

3) Nadando:

 

Não sei como é em outros meses, mas em Julho a gente nadou desde a Cacimba do Padre, passando pela Baía dos Porcos, até o Sancho. O mar estava tranquilo. Contratamos um guia pra fazer o percurso com a gente a nado livre e foi bem legal. Sim, no total fomos 3 vezes na Praia do Sancho, de 3 maneiras diferentes! E não vejo a hora de voltar!

Guia: Ittalo Ferreira 81. 9703-8959

 

Começamos fazendo um 8 no Morro Dois Irmãos, depois nadamos até a Baía dos Porcos e Praia do Sancho.

 

Pra falar a verdade, dá pra fazer essa travessia sem guia, mas como ele tinha uma bóia de apoio, o trajeto ficou menos cansativo e conseguimos aproveitar muito mais. Outro ponto bom, ele foi nos dizendo o nome de vários peixes, apontando alguns que a gente não tinha nem visto. Vimos arraias, tartarugas, polvo, lagosta, cardumes de linguado, sardinhas (tem por toda a parte), peixe pente e váários outros! 

 

praia do cachorro

A Praia do Cachorro é no centro, de fácil acesso pela Vila dos Remédios.

 

Em cima tem um barzinho chamado Bar do Cachorro. E, na areia, outro chamado Bar do Tota.

 

Não deixe de ir até o Buraco do Galego. Uma piscina natural formada entre as pedras na parte mais à direita da praia. Uma delicia de mergulhar (ou pular) das pedras um pouco mais altas ao redor. Imperdível!

Dica: Chegue cedo porque a galera faz fila pra entrar nu buraco.

 

praia do meio + praia da conceição

Logo depois da Praia do Cachorro, a esquerda de quem está olhando pro mar, fica a Praia do Meio, e em seguida a Praia da Conceição (onde tem o Morro do Pico).

Nós conhecemos essas praias de SUP também, saindo do Cachorro. Foi bem bonita a remada, durante o trajeto ouvimos golfinhos a uns 100m da gente (reconhecemos aquele som que eles emitem).

Lá tem um barzinho/ restaurante chamado Duda Rei. Comemos uma porção de polvo bem gostosa!!

Para viajantes que buscam algo mais cool, tomar um drink no Bar do Meio também é muito agradável!

Foi lindo ver o pôr-do-sol dali!

 

forte dos remédios

Subindo pela Vila dos Remédios, outra vista bem legal pra entender a disposição das praias e assistir o pôr do sol é o Forte dos Remédios.

Na primeira foto, dá pra ver um pedacinho da Vila dos Remédios, a Praia do Cachorro fica mais embaixo, não dá pra ver. E, do lado, a Praia do Meio e a Praia da Conceição (com o Morro do Pico). Lá no fundo os Morros Dois Irmãos.

 

baía do sueste

A Baía do Sueste é famosa para nadar com as tartarugas!

 

Vale a pena subir primeiro até o mirante no Forte S. João Sueste. De lá já vimos várias tartarugas nadando e ficamos super empolgados com o mergulho! Fomos até a Ponta das Caracas de bugre e voltamos para enfim mergulhar! 

Preferimos mergulhar com um guia, a Baía é grande, a água turva, cheia de pedras e os guias sabem os melhores lugares para encontrá-las. O guia cobrava 40 BRL por pessoa (em 2015).

 

É obrigatório o uso de colete salva vidas, eles alugam lá mesmo (6 BRL) e máscara e snorkel também (nós tínhamos)! 

Foi uma delicia!!! Vimos MUITAS tartarugas verdes e a parte mais legal foi ver as famílias nadando juntas! Lindo!

 

Confesso que fiquei em choque quando dois tubarões razoavelmente grandes, um lixa e um limão, passaram a poucos palmos da gente, mas quem vai pra Noronha tem que estar preparado para ver tubarões. Isso é um fato!

Minha sorte foi ter assistido a palestra sobre tubarões na noite anterior, no Projeto Tamar, o que me tranquilizou.

 

praia do leão

É a praia onde a maioria das Tartarugas de Noronha desova! 

 

Da próxima vez quero participar das atividades do projeto Tamar na liberação de filhotes de tartarugas, se eu não engano é de graça. Nas palestras eles explicaram que normalmente essas atividades acontecem entre dezembro e junho, deve ser um máximo! 

A praia tem mar forte (fica na parte do "mar de fora" de Noronha), água azul, areia avermelhada e muito sossego.

 

spot dos tubarões

Como uma boa cerimonialista de casamentos, queria conhecer a Igrejinha branca de Noronha. Ela é super fofa, fiquei doida pra organizar um casamento lá!

 

Enquanto andávamos por ali, um fiscal do ICMbio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) nos deu a dica de ver o lugar onde os tubarões descansam. Eles esperam a maré aumentar, passam por cima das pedras até uma piscina natural que se forma e ficam protegidos. Fica do lado do museu do tubarão. Só olhar pra baixo, você vai ver muuuitos!

 

praia da atalaia

A Praia da Atalaia é conhecida como o berçário marinho de Noronha. A praia forma uma piscina natural, considerada o ambiente ideal para os filhotinhos crescerem com segurança!

Tem limite de entrada, permanência, e é necessário agendar um horário de visita na praça da Vila dos Remédios (além desse quiosque, parece que é possível agendar em outros locais também, como a Baía do Sueste ou Vila do Boldró).

 

Eles só permitem 100 pessoas por dia, sendo 4 grupos de 25 pessoas em 4 horários diferentes. E você só pode ficar 20min mergulhando.

A trilha até a praia tem 1500m (existe a possibilidade de continuar a trilha mais longa também), e chegando lá fica uma responsável do ICMbio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) dando algumas orientações e controlando as regras.

É obrigatório o uso de coletes, então alugamos um em frente ao Restaurante Xica da Silva (em um lugar chamado Danilory, 5 BRL cada) e levamos. Lá na praia não tem onde alugar, leve o seu. É proibido o uso de pé de pato e protetor solar.

 

Não chega a ser um mer-gu-lho. A área é BEM rasinha (tipo 3 palmos), e a gente fica boiando enquanto observa os mini peixinhos passarem. Não pode pisar no fundo e tem que nadar bem devagarzinho, sem encostar em nada.

 

Alguns viajantes já viram filhotes de tubarão e várias outras espécies legais, mas quando fomos a maré estava mais cheia, então não vimos quase nada.

 

praia do bode + praia do americano

As últimas praias que conhecemos.

 

As duas ficam em um cantinho mais isolado no final da extensão de areia da Cacimba do Padre. Passando por umas pedras chega-se na Praia do Americano e em seguida, na do Bode. São bem desertas, mar clarinho e vista para o Morro dos dois irmãos!

Posts relacionados: