dolomitas

Novembro, 2017 | escrito por Carla

A região ao norte da Itália é base das cadeias montanhosas Dolomitas, com muitos lagos (lindos!) e cidadezinhas medievais. Pra mim essa viagem tem que ser feita de carro, com muitos dias, com calma, curtindo cada pedacinho. Amo a Itália, com força!

 

Já quero voltar, conhecer os Lagos que não conseguimos e comer mais e mais da culinária delícia da Itália.

QUANDO IR e quanto tempo ficar

Nas meias-estações (outono ou primavera) as cidades estão menos agitadas e com temperaturas mais amenas para curtir os lagos.

 

Julho e Agosto é alto verão na Europa, tudo fica lotado. No inverno os lagos congelam e abrem algumas pistas de esqui. Novembro, quando fomos, é um mês um pouco morto então muitas coisas fecham. E o frio já começa.

Nós ficamos 7 dias, achei muito pouco, mas conhecemos vários lugares lindos! 

 

Quanto mais tempo você puder ficar, mais lugares da região conseguirá conhecer. É um daqueles destinos que você nunca fica sem nada para fazer.

Se conseguir ficar bastante tempo sugiro um roteiro que pegue Itália, Áustria e Suíça.

onde ficar

Quem visita a região das Dolomitas italianas pode escolher várias cidades base para se hospedar: Trento, Cortina D’Ampezzo, Bolzano, ou algumas outras ali perto. 

 

Meu sonho era ficar no Miramonti Boutique Hotel. Tem uma piscina com borda infinita (do tipo uau!) pra cadeia de montanhas.

Nós ficamos em uma casa muito aconchegante em Povo, ao lado de Trento. Amamos os dias por lá.

Chama Terraze del Sale, e achamos pelo airbnb. Tinha vista para as montanhas, café da manhã caseiro (strudel fresquinho, croissants, iogurte, tudo bem gostoso preparado pela dona (minha xará), aquecimento, cama superconfortável e a casa era como um loft, tudo interligado. Indico muito!

sobre os gastos

O total foi calculado em cima dos gastos de duas pessoas + um bebê.

Compramos as passagens de ida e volta separadas, porque encontramos um desconto bacana para fazer dessa forma. A ida foi pela Royal Air Maroc (fizemos um stop de 7 dias no Marrocos. Veja aqui o roteiro da nossa viagem lá e aqui como organizar um voo que faça um stop de mais dias como esse): BRL 3605 (nós 3, com taxas).

E a volta foi pela TAP, com conexão em Lisboa: EUR 455 (nós 3, com taxas). To dizendo que pegamos uma promoção boa!  

Ah, eu estava viajando com o Antonio pela primeira vez pra fora do país, ele tinha 7 meses, então não me matem, mas não consegui anotar os valores de pedágios e gasolina.

Foram 7 dias de viagem, em novembro de 2017.

_________________________

 

TOTAL: EUR  1318

câmbio: EUR 3,69 = BRL 1,00 

 

TOTAL: BRL 4863 | duas pessoas + um bebê, 7 dias.

Hospedagem Milão

Hospedagem Verona

Carro alugado

Hospedagem Trento

Total de comidas

EUR 279 | 3 diárias

EUR 99 | 1 diária

EUR 300 | 8 diárias

EUR 220 | 4 diárias

EUR 420

o que conhecer

 

Ainda está na nossa #wishlist:

Lago di Braies, Lago di Sorapis, Cortina D'Ampezzo, Lago di Como, Santuário Madonna della Corona, Sigurta Park, região das Dolomitas Austríacas e Suíças (e a lista não para!)

 

trento

Uma cidade meio cinza, bem residencial. Dani amou, eu não achei nada demais. Nós não exploramos muito Trento em si, só ficamos hospedados lá para conhecer os lagos e estradas dos arredores.

 

Mas uma coisa foi unânime: é bem bonito ter as cadeias Dolomitas como fundo do cenário.​

Paramos o carro uma ou duas noites depois dos passeios e andamos pelo centrinho. A cervejaria FORST é uma ótima pedida pro fim de tarde. Pedimos chopes e ganhamos algumas entradinhas. :)

 

lago di carezza (karersee)

Saímos de Trento e percorremos uma estrada (linda) de mais ou menos 85km em direção à Áustria.

 

No caminho, as árvores já estavam cheias de neve, o frio ia aumentando e as placas vinham escritas em alemão, além do italiano.

 

O Lago di Carezza era um dos que eu tinha mais vontade de conhecer - as fotos mostravam uma água verdinha, transparente, com um espelho d’água das Dolomitas. 

 

Quase passamos da entrada na beira da estrada, porque era vazia, sem muita indicação, estava com a casa de apoio fechada e o estacionamento cheio de neve.

 

Na entrada a gente não percebeu que a neve estava super alta e atolou o carro (só rindo!). Depois da raça para tirá-lo do lugar (a emoção foi tanta que nem lembro como fizemos), estacionamos (éramos os únicos ali) e descemos para ver o Lago. Tcharam: ele estava con-ge-la-do! A gente sabia que tinha chance, mas confesso que estava bem otimista!

Não tem jeito, toda viagem tem alguma coisa no estilo expectativa x realidade, quero até escrever um post sobre isso. Mas o lugar tava super bonito de qualquer forma, deu pra sentir a atmosfera e ficamos imaginando como seria em outra época. Temos uma desculpa para voltar!

 

Dica: se estiver indo de Trento que nem nós, prefira o caminho que passa por Ora, dizem que a estrada é mais bonita (nós achamos incrível!)

 

lago di tovel

 

 

Fica 45km ao norte de Trento, dentro do Parque Adamello Brenta.

 

Saímos de Trento e percorremos um caminho tranquilo, bem sinalizado, em uma estrada super bonita. Aliás, para todos os lugares que íamos, só pegávamos estradas bonitas. Vales, vinhedos, plantações de azeitonas, montanhas, paisagens lindas demais! Paramos diversas vezes para admirar um pouquinho antes de seguir.

 

O Lago di Tovel é aquele típico lago de cinema. Apaixonante!

 

A gente foi no outono, então a vegetação completava a paisagem: água verde esmeralda (resultado de um degelo de 20mil anos atrás), árvores com folhas alaranjadas e as cadeias de montanhas (Dolomitas) com o pico nevado fazendo um espelho d’água delirante! 

 

Estacionamos o carro em um estacionamento (parece que no verão é obrigatório estacionar mais distante e pegar um ônibus até o Lago, mas em novembro só tínhamos nós - praticamente).

 

Levamos umas comidinhas, fizemos um picnic, demos a volta inteira no lago (mais ou menos 3km de um trilhazinha supertranquila) e tiramos fotos admirando-o de vários ângulos.

 

Só saímos de lá quando o frio começou a apertar. A estrutura é bem legal, ao longo das trilhas vimos algumas mesas de picnic e um restaurante (que estava fechado). Nos trechos de subida, uma estrutura de madeira com degraus torna o caminho mais fácil pra todo mundo.

 

castel toblino

 

 

A 16km de Trento, na beira do Lago di Toblino, encontramos esse castelinho lindo!

 

Pra quem tá lendo todos os passeios, já sabe que em novembro grande parte dos estabelecimentos (em cidades pequenas) fecha, e aqui não foi diferente: restaurante fechado. De qualquer forma a gente gosta de ver vantagem em tudo, então curtir os lugares vazios foi uma delícia! 

 

Patos nadando, montanhas ao fundo (como toda a região), água calminha e muita paz.

Fiquei imaginando organizar um casamento no pátio do castelo (organizo casórios na Doux Mariage), de frente pro lago, que visual! Quem quer embarcar nessa aventura?

 

lago di nembia

 

 

Pra quem está montando o roteiro nessa região, vale juntar o Castel Toblino e o Lago di Nembia no mesmo dia, já que eles ficam na mesma direção. Saindo de Trento são 38km até o Lago di Nembia.

 

Esse foi o lago de mais fácil acesso (e também o menor) que conhecemos. Nem por isso ele nos decepcionou. Nada que se compare ao imponente Lago di Tovel, claro, mas ele tem o seu charme. 

 

Uma pontezinha e banquinhos de madeira ao redor do lago atraem várias famílias pra pescar e curtir o dia de frente para a água verdinha e transparente. 

 

lago di garda

Descemos pro sul da região para conhecer o maior lago do país: o Lago di Garda. Três regiões italianas fazem parte dos seus 150km de arredores: Trentino, Lombardia e Veneto. 

 

No verão fica lotado, as praias privadas faturam e oferecem estrutura pra quem não encontra vaga nas áreas mais visitadas. 

 

A gente conheceu o lago em dois dias diferentes. No primeiro, fizemos um bate e volta de Trento então focamos no lado norte do Lago:

 

  • Riva del Garda: cidade mais ao norte do lago, foi nossa primeira parada, onde curtimos a manhã e almoçamos. O restaurante il Veleiro foi o nosso escolhido. Especializado em peixes, era uma das poucas opções abertas. Nada demais.

  • Limone: o caminho de Riva del Garda até Limone é lindo, uma estradinha que beira o lago, em meio a túneis e pedacinhos estreitos e com construções medievais, vale a pena. Uma pena não ter acostamento pra admirar a vista!

E o segundo dia foi na volta de Trento, rumo a Verona. Paramos no lado sul do Lago, na cidade de Sirmione.

 

Almoçamos, conhecemos o castelo na beira do lago e passeamos pelas movimentadas (até em novembro) ruelas de paralelepípedo. Sirmione é conhecida como a cidade dos ricos e famosos, então muita coisa lá é superfaturada. 

 

A cidade é uma gracinha, mas não tem as montanhas ao fundo do lago como as cidades do norte. De qualquer forma, vimos algumas prainhas de pedra super agradáveis (ainda mais em estações mais quentes).

 

Ainda na nossa #wishlist do Lago di Garda:

 

  • subir o Monte Baldo de bondinho em Malcesine

  • fazer o trajeto Riva del Garda - Lago di Ledro pela Estrada Ponale a pé (ou de bicicleta)

 

Se você for para essa região, teste esses dois passeios e depois me conta como foi!

Posts relacionados: