Ushuaia

Janeiro, 2018 | escrito por Talita

O que posso dizer sobre essa cidadezinha da Patagônia Argentina chamada ‘Fin del Mundo’? Prepare-se para frio, vento e chuva!

 

Mesmo no verão, achei que fosse congelar no primeiro dia. A temperatura não é tão baixa, mas a sensação térmica cai muito com os famosos Ventos Patagônicos.

 

A cidade em si eu não curti tanto (achei com cara de cidade grande) e os restaurante são caros (+ ou - BRL 120/refeição para casal), mas vale a pena passar uns 3 dias para fazer os passeios!

 

Ahhh, os passeios!

 

onde ficar

Ficamos hospedados na La Casa de Alba, um hostel aconchegante! Apesar de termos curtido bastante nossa estádia lá, achamos muito afastado do Centro. Para quem, assim como a gente, gosta de fazer tudo a pé, fica bem mais cansativo!

Aconselho a escolher algum outro hostel mais próximo da rua principal (Av. San Martín). Mas nada de muito luxo, porque você não vai parar quieto - então basta ter uma boa cama e um aquecedor!

onde comer

Comida, aí está um ponto um tanto quanto problemático na minha opinião. Achei os restaurantes de Ushuaia careiros! O custo/benefício deixa muito a desejar, considerando uma média de BRL 120 a refeição para um casal.

Tentamos recorrer ao Carrefour para economizar, mas os preços nos supermercados também são salgados.

 

O único restaurante que eu indico é o El Bar Ideal, que nos foi apresentado como o bar mais antigo de Ushuaia (desde 1951).

Tivemos uma experiência muito boa! A comida estava ótima e a atmosfera do restaurante é muito legal. Cheio de bandeiras de vários lugares/times de futebol, e no final você ainda pode deixar um recadinho e colar na parede do bar (se você passar por lá, procure pelo nosso).

o que fazer

 

la pinguinera

Quem aí adora pinguins e acha eles muito fofos? Se você é amante dos animais, prepare o coraçãozinho.

 

Fechamos o passeio com o Piratur. Quando fomos, essa foi a ÚNICA agência que tinha autorização para descer na Isla Martillo (ilha onde ficam os bonitinhos). Reserve com antecedência (reservamos ainda no Brasil), porque acaba rápido e quem avisa amigo é! O preço é salgadinho (USD 200/pessoa) mas vale muito a pena! Eles são super organizados e você chega bem pertinho das fofuras (nada de fazer carinho viu? são animais selvagens e merecem o nosso respeito).

 

Obs: Quando estávamos na ilha vimos as outras agências que chegam com barco, mas não atracam. Sinceramente não vale a pena ir até lá e ficar olhando de longe.

 

O passeio inclui:

transfer/ônibus (saída do porto de Ushuaia) +

visita ao Museu dos Ossos +

barco até a Isla Martillo +

visita ao Farol do Fim do Mundo + 

visita aos leões marinhos

Dica: Leve um lanchinho para o almoço. O último barco vende comidinhas (pizza, salgados, etc), mas assim você economiza!

 

parque nacional tierra del fuego

Programe-se para passar o dia INTEIRO nesse parque. Ele é lindo!

 

Só ficamos 4 horas, então acabamos tendo que fazer as caminhadas com pressa e fiquei com aquele gostinho de quero mais. Tem muitas trilhas lindas para explorar e é preciso tempo para conhecer e admirar tudo.

 

Leve lanchinho e aproveite a beira do rio para fazer um picnic. Tem um restaurante, mas é absurdamente caro (tipo BRL 30 um misto quente).

 

Gastos:

entrada do parque (ARS 350) +

van ida e volta saindo do porto de Ushuaia (ARS 500)

 

Pedimos para o motorista da van deixar a gente no final do parque e voltamos andando pelas trilhas que ele recomendou como as mais bonitas.

 

glaciar martial

Eu AMEI esse passeio e ele é gratuito (Aleluia)!

 

Todo mundo nos aconselhou a gente a pegar um táxi até a entrada do Glaciar e fazer só a subida final a pé (+ ou - 1h). Não cometa esse erro! Eu te imploro, faça a trilha toda (+ ou - 3h). Você economiza o dindin do táxi e conhece lugares de tirar o fôlego.

 

Fomos andando desde o nosso hostel, aconselho a fazer o mesmo. Na verdade, em Ushuaia a gente fazia TUDO andando, e olha que não ficamos no centro não!

 

A ‘primeira’ trilha é toda verdinha e são umas 2 horas de caminhada. Passamos por muitas árvores e alguns riachos. Como estava um dia chuvoso (o que é muito comum na região) a trilha estava vazia, se vimos três pessoas foi muito. Durante todo o trajeto tem uma sinalização com bolinhas e carinhas amarelas, mas mesmo assim a gente se perdeu. Empolgação de momento quando vimos uma ponte linda e resolvemos atravessar. E tenho que confessar, ainda bem que nos perdemos. Vimos uma parte da linda trilha,  que de outra forma não teríamos visto! Já a ‘segunda’ trilha, depois da plaquinha de entrada da antiga estação de esqui (isso antigamente, antes do aquecimento global), é uma subida giga e rochosa.

 

Ou seja, o trecho mais bonito da trilha até o Glaciar é exatamente a parte em que todo mundo está no táxi, subindo pela estrada!

 

Dica: Leve roupa waterproof para a trilha. Melhor ainda, leve para a viagem, você vai usar quase todos os dias. O tempo na Patagônia é completamente doido! Vou escrever um post com dicas do que levar e como se vestir em breve.

Posts relacionados: